A defesa da fé e o amor: armas de São Bernardo contra as heresias de Abelardo

LEIA meu artigo-resenha sobre o livro "As heresias de Bedro Abelardo", trad. Carlos Nougué e Renato Romano, É Realizações, Col. Medievalia, coord. Sidney Silveira. Edição do livro do santo católico que viveu no século 12, na Alta Idade Média, representa, mais que uma mera publicação para especialistas e eruditos, um ato pedagógico. Adalberto de Queiroz … Continue lendo A defesa da fé e o amor: armas de São Bernardo contra as heresias de Abelardo

Sá-Carneiro

É! o melhor amigo ofuscou o conhecimento de sua (dele) poesia entre nós, lusófonos. Há quem diga que é melhor poeta que o Pessoa, a quem avisou da decisão de se suicidar. Não conheço ainda as cartas que trocaram, mas há um texto do Pessoa na abertura da edição dos poemas do Mário (indisponível), pela Ed. Cia … Continue lendo Sá-Carneiro

Bernardo de Claraval, guia da Cristandade (3): devoto de Nossa Senhora

Um monge, homem santo e perfeito, Bernardo viveu a imitação de Cristo e torna-se a consciência do séc. XII. Sem evitar a polêmica, é o homem santo providencial para um tempo difícil. É o caso de retomar Chesterton quando se refere a Santo Tomás de Aquino: "Um paradoxo da história é que cada geração é convertida … Continue lendo Bernardo de Claraval, guia da Cristandade (3): devoto de Nossa Senhora

Dia dos Namorados na América

Valentine's Day 2017 Mesmo com a advertência de Drummond na memória ("Não faças versos sobre acontecimentos"), ousei um poema para minha musa, neste Valentine's Day in USA. Confira, caro(a) leitor(a). AQ./. Plantation, Florida, US, 14th, Feb/2017.

Poesia e profecia

Poesia e profecia, draft de poemas do novo livro de Adalberto de Queiroz.

A gênese de um livro (II)

Os decapitados* (c)Adalberto de Queiroz Eles vêm ao acaso de todos os cantos do mundo – serão os algozes Atenderam o chamado, às dezenas, depois às centenas; ao fim, milhares Tantos assim que por último não havia onde as cabeças depositar-lhes. Os homens que ali sacrifícios realizam, do deserto eram flores ferozes. As nossas armas … Continue lendo A gênese de um livro (II)

Um “serpentário de erros”

JORGE DE LIMA em seu testamento poético criou uma longa "biografia épica" e recriou-se como poeta, na pele de um insular da poesia de nosso hemisfério Canto I, 1 Um barão assinalado sem brasão, sem gume e fama cumpre apenas o seu fado: amar, louvar sua dama, dia e  noite navegar, que é de aquém … Continue lendo Um “serpentário de erros”