Julián Marías


“A felicidade é para as pessoas o que a perfeição é para os entes”.

Com esse pensamento-síntese, idéia “arrancada do grande rincão que é a obra de Leibniz“, poderíamos sintetizar o livro de Julian Marías*.
Marias

Sempre que termino a leitura de um livro dessa grandeza, penso em como a literatura, em seus diversos estilos e gêneros, pode ajudar-nos – sem cair na prateleira ostensiva do termo auto-ajuda! – a enxergar melhor, a ser melhores, convivendo com mais integração com o mundo à nossa volta; e com nossos semelhantes em nossa caminhada como cristãos.

Livros, filmes, discos, relatos, conferências podem abrir-nos rumos para a nossa busca da felicidade – dentro da “realidade projetiva” que somos, pois, afinal, como bem conclui Marías: “nossa vida consiste no esforço por alcançar parcelas, ilhas de felicidade, antecipações da felicidade plena”.

Dia desses recebi um dessas mensagens iluminadas de um dos meus brilhantes amigos, que ainda escrevem em blogs para exaltar o Bem, o Belo e o Verdadeiro (seus posts são comentados por muito poucos, pois, a maioria prefere o ruído vazio do sensualismo e da exaltação dos ‘valores’ da modernidade descrente de tudo). Pois bem, este amigo me dizia sobre seu ofício de comentarista:

O que desejo é não me transformar em um Hans Castorp.

A referência é sofisticada, fala do personagem de Thomas Mann (em “A Montanha Mágica”) e está naturalmente coberta de significado, trazendo o condão de afirmar o propósito de desenvolver uma certa pedagogia no seu blog. Hoje, mais do que nunca, é urgente que tenhamos propósitos didáticos indicando através das leituras, dos comentários de audições musicais, na apropriada escolha dos temas, enfim, rumos da verdade num mundo cada vez mais dominado pela mentira, pela empulhação e pela desfaçatez.

Eis o propósito que me move a escolher essas citações de Julián Marías. Espero que isso motive o leitor a procurar o livro do pensador espanhol, discípulo de Ortega Y Gasset.

O que se fala nesse livro – que não é de auto-ajuda ressalte-se mais uma vez – ajuda o leitor porque é a meditada e madura reflexão de um homem sábio. Os trinta capítulos que correspondem a 30 conferências em um curso no Instituto de Espanha, com o mesmo título, examina a fundo o significado de felicidade, do passado filosófico aos nossos dias, passando pela mística cristão, o utilitarismo, o reducionismo do ´welfare state` até a antropologia metafísica e à intimidade da vida de cada um.

No fim e ao cabo, torna-se, pois, um livro de auto arazoamento, de convite à reflexão, de convite ao exercício do pensar sobre a felicidade – e, pois, se pode dizer da vida humana, daí porque não é uma referência à felicidade dos cães ou dos animais de criação, mas da Criação por excelência na terra – fala-se da Felicidade Humana.

Num mundo que exalta a infelicidade, um livro assim pode ser um roteiro de pensar como retornar ao projeto original de se continuar procurando a felicidade – esse alvo móvel.

Muitas pessoas deixam a felicidade se perder sem que isso seja inevitável; às vezes, por desgraça o é; mas muitas vezes se a dá por perdida quando o que se perde é algo que, a seu lado, quase não tem importância. Por que isso acontece? Porque não se dá atenção ao que é a condição mesma da vida“.

A felicidade conclui Maríás em um dos mais importantes capítulos (XIX) do livro “é a vida mesma: quando alcança sua plenitude, é felicidade”.

O autor consegue demolir alguns equívocos do pensamento atual que identifica a felicidade com a acumulação de riquezas, a dissipação de si mesmo nos prazeres ou nas atividades sociais, o reducionismo de felicidade como ´bem-estar` e a limitação do horizonte da felicidade à vida terrena (sem a esperança cristã da vida eterna).

+++++

Post originalmente publicado no Verbeat em 29/08/2006.
Fonte: “A Felicidade Humana”, Julián Marias, Ed. Duas Cidades, 1989.

4 comentários em “Julián Marías

Adicione o seu

    1. Dileto amigo,
      Obrigado por repercutir. O Twitter se ofereceu como a forma de resposta a um post sobre a referência a “um judeu e um ateu que se expressam como ´cristãos`” sobre o tema a ética da Felicidade… Não teve jeito, lembrei-me de ripostar.
      Amitiés,
      BetoQ.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: