A gênese de um livro (drafts de poemas, 2017)

Da série "O Farsante". https://sway.com/3ro9t3guOAad6nOy

“As dimensões da viagem…” – sobre Destino Palavra (poesia)

Gabriel Santamaria, romancista e poeta com cinco livros publicados e inúmeros artigos em mídias sociais, apresenta sua visão crítica da leitura de meu livro "Destino Palavra". Fico muito feliz em compartilhar este artigo com os meus amigos do blog "Leveza & Esperança", expressando minha gratidão ao autor de "O Evangelho dos Loucos". *Clique sobre a imagem … Continue lendo “As dimensões da viagem…” – sobre Destino Palavra (poesia)

Presença e permanência de Georges Bernanos

Republicação em razão da recente e saudável onda de releitura de Bernanos – terminei recentemente Monsieur Ouine, “le grand roman”. O livro sobre o qual o próprio autor teria dito: “escrevo olhando para o futuro…serei compreendido daqui a vinte anos” (1943).

Leveza e Esperança

Um amigo virtual e francófono, Juan Asensio, crítico literário que mantém o blog Stalker, na seqüência de uma troca de mensagens (há algum tempo atrás), sobre o consagrado autor francês Georges Bernanos, me provocou a encontrar filiações bernanosianas no Brasil. Uma resposta difícil, confesso! Girei sobre o assunto e respondi sem nada dizer de exato sobre a questão… vejam como ficou.

Do tempo que passou no Brasil (1938-1945), em meio a uma vida sempre nômade, Georges Bernanos angariou muitas amizades e influenciou uma série de escritores, mas não acho que tenha criado discípulos na ficção; na vida, ao contrário, semeou muitas amizades e registrou várias polêmicas – sem , talvez, ter deixado inimigos públicos.

Bernanos à la moto...

Dos amigos que fez em seu exílio brasileiro, Bernanos recebeu a bela homenagem no livro “Bernanos no Brasil: Testemunhos Vividos”, editado pela editora Vozes, em 1968, artigos de verdadeiros admiradores de Bernanos, coligidos…

Ver o post original 1.735 mais palavras

Post ligeiros (3) – Georges Bernanos

Devo concluir em breve duas resenhas – esta prometida há tanto tempo. A segunda, sobre Monsieur Ouine, lido no original de 1946 (portanto, a edição revisada e livre dos erros da Ed. do romance – em francês, mas feita no Brasil, pela Ed. Atlântica, em 1943), repleta de erros tipográficos e falhas (ausências de páginas!) etc.

Leveza e Esperança

…Mas o coração do mundo sempre está batendo.

O escritor católico-francês Georges Bernanos. O escritor católico-francês Georges Bernanos.

A infância é esse coração. Não fosse o gentil escândalo da infância, a avareza e o ardil teriam, em um século ou dois, exaurido a terra.

Georges BERNANOS, em “Joana, Relapsa e Santa”, É Real.Editora, S.Paulo, 2013. Trad. por Pedro Sette-Câmara.

Segundo o release da É Real. Editora: “Em Joana, Relapsa e Santa, a exaltação de Joana d’Arc assume para Bernanos a figura de uma dupla meditação sobre a Igreja: Igreja de clérigos e Igreja de santos.

“No caso de Joana d’Arc, a Igreja pura e simplesmente condenou uma santa. Que Igreja? Bernanos aponta o dedo para a Igreja institucional, de que faz um retrato nada lisonjeiro. No entanto, não coloca a instituição de lado; ela, apesar de sofrível, é necessária. Porém, “o menor dos garotinhos de nossas catequeses sabe que a bênção de…

Ver o post original 75 mais palavras

Em Goiânia, diretor Marcos Fayad leva Kharms ao palco do SESC

Segundo o editor do Jornal Opção, sr. Euler De França Belém, "a adaptação feita pelo diretor brasileiro [Marcos Fayad] não é mera reprodução daquilo que escreveu o escritor russo e isto é um dos pontos fortes de sua peça ou de suas peças." "Uma peça adaptada torna-se uma peça de seu autor e do diretor … Continue lendo Em Goiânia, diretor Marcos Fayad leva Kharms ao palco do SESC

Rainer Maria Rilke, via Editora Anticítera

Segunda Elegia. *****Rainer Maria Rilke* Cada anjo é terrível. E entretanto, ai de mim, eu vos louvo, aves quase mortíferas da alma, consciente ao vosso redor. Já vão longe os tempos de Tobias, quando um dos mais esplendorosos apareceu numa simples porta de casa, ligeiramente disfarçado para a viagem e já não mais terrível: (nada … Continue lendo Rainer Maria Rilke, via Editora Anticítera

Meu velho tamboril & memórias de Carmo Bernardes

Lendo esta nota de falecimento (ver link abaixo), resolvi republicar este post. https://br.sputniknews.com/russia/201704018046350-poeta-russo-morre-84-anos/

Leveza e Esperança

PUBLICADA EM OPÇÃO CULTURAL em 16.JUN.2016.

Clique na figura para ler o artigo no site do Opção Cultural ou leia a íntegra abaixo.

2016-06-16 (2)

Meu velho tamboril  ensina-me a ouvir o vento

                                                                                          Adalberto de Queiroz, Especial para o jornal Opção

Dia desses conversava com um dos meus compadres sobre as árvores do quintal da casa de minha filha. Lá, existem algumas espécies que me surpreenderam quando adquirimos o terreno. Tudo fiz para manter as árvores e enfrentei com bravura a mudança de um velho bacuri que havia anos se erguia faceiro no que hoje é um dos quartos da casa. Quando soube, por telefone – estava nos…

Ver o post original 2.273 mais palavras