Ilusão perdida

Goethe, trad. Eduardo de Carvalho, via Edit. Anticítera.

14054209_1080078948727531_4751605850218161501_n

A cortina da vizinha
vai se erguendo lentamente.
Ela me espreita sozinha,
para ver se estou presente,

e se o ciume, que veio
causar-me profundo abalo,
ruge-me ainda no seio,
onde desejo guardá-lo.

Porém, não! Tal pensamento
não teve a bela menina:
E eu agora o vejo; é o vento
que ergue de leve a cortina.

J. W. Goethe. Tradução de Eduardo de Carvalho

Ver o post original

Poesia falada

CONTINUAÇÃO do projeto - agora com poemas de amor (1). ***********************************************************   Poemas lidos nesta versão: Poeminha Amoroso – Cora Coralina   Este é um poema de amor tão meigo, tão terno, tão teu… É uma oferenda aos teus momentos de luta e de brisa e de céu… E eu, quero te servir a poesia numa... Continue lendo →

O espaço

O Espaço *********Adalberto de Queiroz Porque a poesia nos coloca em estado-de-emergência – como dizia o Gaston, Eu vos digo: eis-me aqui, acólito do ritual canônico do verbo criando stanzas velhas - atónito (!) com o poder etéreo, soberbo. Sem impertinências, nem pedras pelo caminho, - pedras estão diante dos olhos! as pedras clamarão, agora clamam.... Continue lendo →

Queres ler o quê?

Mais um Poema falado no SoundCloud. Fonte: "Destino palavra", edição do Autor, 2016, p.51/2. Queres ler o quê? Do poeta Jorge de Lima um poema- pergunta me assalta; e me lança a poço tão fundo, de tardia Samaria isolada: - Queres ler o que tão só se entrelê e o resto em ti está? Flor... Continue lendo →

Comunicação no I Colóquio de Poesia Goiana, 2017

I Colóquio de Poesia UFG,  12 de Junho de 2017 - participação na Mesa coordenada pelo poeta Miguel Jubé, doutorando em Letras pela UFG; tema: "A nova poesia em Goiás". Participação minha com os poetas Edmar Guimarães, Fabrício Clemente e a poetisa Dheyne de Souza. Boa tarde! Concordando com o escritor britânico Gilbert Keith Chesterton... Continue lendo →

Um poema em homenagem a Lúcio Cardoso

Onde presto homenagem a Lúcio Cardoso (1912-1968), poeta e romancista, autor, entre outros e "Crônica da casa assassinada" (1959). Para ler o poema, sobre o personagem Timóteo (2/3 poemas) clique no link do Sway, abaixo. https://sway.com/Qjt2bqCEWuBr5D30?ref=Link

Rascunho

Feliz com a publicação de minha primeira colaboração no jornal Rascunho. Resenha sobre o livro "O método Albertine", de Anne Carson, na edição nr. 206, junho/17 - , que, em breve, deverá estar online no site do jornal. Por ora, fica o registro aos amigos do blog. *O site e o autor são os mesmos,... Continue lendo →

Ao nosso amor…

                                           à Helenir Queiroz. Nada importa menos ao nosso amor que a ingênua rima em flor - rosa nomeada. Pouco importa, ainda que um soneto - pouco importa a forma exata, a rima ao nosso... Continue lendo →

Poema “Oh! navios à barra atados!”

"Oh, navios, à barra atados!" - poema publicado em meu livro "Destino Palavra" (2016) ganhou três publicações de grande alcance. Agora, foi a vez da revista do Sicoob - Ano II, nr. 3 - Maio 2017 - o que me deixa muito feliz. Leia o poema em fac-símile abaixo (ilustr. Amaury Menezes) O livro Destino Palavra... Continue lendo →

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: